23/10/2014

MENSAGENS DE TEXTO CONTRA O EBOLA


Na Liberia, trabalhadores humanitários testam uma nova ferramenta para conter o pior surto de ebola do mundo: a mensagem de texto. Usando uma tecnologia que pode abranger telefones celulares em uma área específica, trabalhadores do Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, enviaram textos para um grupo de jovens em Monróvia contando a eles como realizar o cadastro para recebimento de alertas relacionados ao ebola. Os jovens responderam com perguntas, por exemplo, sobre como eles poderiam evitar o contágio. O vai e vem é parte de uma medida emergencial para uso de tecnologias para ajudar a combater o vírus. Os trabalhadores humanitários dizem que embora a tecnologia seja promissora, a limitada conectividade de internet e de dados nas áreas rurais da África Ocidental se tornou um obstáculo significativo. “O sistema está, francamente, se derrubando”, disse Lauren Woodman, CEO da NetHope Inc., uma organização sem fins lucrativos que está coordenando o uso da tecnologia por grupos humanitários na região. “Nossas organizações-membros nos dizem que chegam a conseguir apenas um telefonema em horas de tentativas. As mensagens de textos são entregues dois ou três dias mais tarde. Os pagamentos móveis para trabalhadores de saúde estão, algumas vezes, levando uma semana para serem processados”. As agências do governo, organizações internacionais e entidades sem fins lucrativos estão expandindo o uso de tecnologias para ajudar a parar uma epidemia que infectou quase 10.000 pessoas, matando em torno de metade.Os trabalhadores de saúde estão usando telefones com Android, da Google, para monitorar as vítimas, um software para acompanhar o Twitter e outras redes sociais em busca de surtos e sistemas baseados em satélites para conectar hospitais rurais improvisados à internet.

07/10/2014

TWITTER PROCESSA GOVERNO AMERICANO
O  Twitter processou o Departamento de Justiça dos Estados Unidos nesta terça-feira, intensificando sua batalha com as agências federais, enquanto a indústria da internet visa o direito de fornecer mais detalhes sobre a extensão da vigilância promovida pelo governo norte-americano.O processo, que segundo o Twitter se segue a meses de negociações infrutíferas com o governo, marca a escalada da batalha na indústria da internet sobre a censura governamental para a divulgação da natureza e do número de pedidos por informação privada de usuários.Em uma ação movida no Tribunal Distrital dos EUA para o norte da Califórnia, o Twitter argumentou que as regras atuais impedem que ele até mesmo diga que não recebeu nenhuma solicitação de segurança nacional de informação de usuários.O Twitter disse que as restrições violam a garantia da liberdade de expressão na Primeira Emenda da Constituição do país. (fonteReuters)

21/09/2014

COMO SER MAIS CRIATIVO NO FACEBOOK

Veja só que interessante. O Facebook, por meio de seu blog voltado para os anunciantes, relacionou seis dicas de como as empresas podem ser criativas na maior rede social do mundo. Todas elas foram elaboradas por Pablo Tajer, Creative Strategist do Facebook para o Cone Sul. Vale a pena conferir:
1 - Tente parecer uma pessoa, não uma empresa
O Facebook é uma plataforma que apresenta diferentes desafios para a publicidade tradicional e é importante que você tenha isso em mente ao criar suas publicações e anúncios. Quanto mais você se parece com amigos de seus clientes, mais atenção você vai receber. Por exemplo, se você tem um restaurante, em vez de criar um conteúdo com um fundo estático e a foto de um prato, é melhor se você usar a perspectiva de uma pessoa, que é mais atraente e menos "publicitário". O objetivo é que seus clientes não percebam a diferença entre conteúdos criados por marcas e por amigos em seus Feeds de notícias.
2 - Conte uma pequena história em cada publicação
No Facebook as pessoas contam situações que acontecem com elas. Sua marca deve fazer o mesmo. Seu conteúdo tem que contar histórias e/ou momentos dos produtos e serviços que você está oferecendo. Isso é a chave para que as pessoas se identifiquem com sua marca.
3 - Pense criativamente em quem pode ser seus potenciais clientes
O Facebook tem ferramentas que te ajudam a segmentar e aprender mais sobre os interesses de seu público. Quanto mais informações você tiver sobre os seus potenciais clientes, melhor. Conhecer os gostos e desejos dessas pessoas vai te ajudar a sair do convencional e a criar conteúdos que atraiam quem ainda não tem interesse pelo seu produto ou serviço. Por exemplo, se você tem uma empresa que vende raquetes de tênis, você pode segmentar seu público interessado em cuidados de saúde e não necessariamente direcionar a mensagem somente para pessoas interessadas no esporte. Alguém que está interessado em sua saúde pode ser um cliente em potencial para você e quer comprar uma de suas raquetes.
4 - Preste atenção na qualidade das imagens
Hoje existem muitas ferramentas para criação de conteúdo atraente e bonito. Por exemplo, os filtros de Instagram. Não é necessário ter um fotógrafo profissional para tirar uma bela foto. Com uma boa imagem e o filtro certo é possível conseguir uma publicação de qualidade. Por outro lado, você deve se dedicar a criação de conteúdo próprio para que tenham uma cara mais real e se pareçam menos com fotos genéricas de bancos de imagens.
5 - Pense sempre no visual dos conteúdos para dispositivos móveis
Cada vez mais pessoas acessam o Facebook por meio de um dispositivo móvel — celulares, smartphones, tablets. Ao criar uma publicação é importante observar as limitações destes dispositivos e pensar na melhor alternativa. Por exemplo, ao escolher uma foto do seu perfil teste seu visual num dispositivo móvel. Se a imagem for muito grande, provavelmente ficará cortada, o que gera uma má experiência para quem vê.
6 - Evite mensagens como "Clique em curtir se gostou do que viu"
Se o conteúdo é atrativo, as pessoas naturalmente vão clicar em curtir, comentar ou compartilhar. A primeira barreira é que você deve propor a quebrar a indiferença das pessoas com oi seu conteúdo e a melhor maneira de fazer isso é usando sua criatividade.
(fonte adnews)

06/09/2014

O HORÁRIO NOBRE DAS REDES SOCIAIS
Um novo estudo da Scup, “Horários Nobres das Redes Sociais”, que chegou em sua quarta edição, traçou um perfil do comportamento e interação dos usuários nas redes sociais.O estudo analisou mais de 86 milhões de posts e comentários durante 2013. 57,2% deles do Twitter, 40,9% do Facebook e 1,9% do Instagram.Segundo análise da startup, é essencial para o sucesso das marcas e empresas conhecerem a movimentação e a dinâmica dos usuários das redes sociais. “Cada vez mais, as agências e empresas precisam conhecer o seu público nas redes sociais, para direcionar o conteúdo certo, na rede certa e no horário com mais impacto”, diz Diego Monteiro, co-fundador do Scup. Confira as principais descobertas: Dias da Semana - No Facebook e Twitter, as postagens vão crescendo a partir da segunda-feira, chegando ao ápice às quartas e quintas. Nos finais de semana, há uma queda brusca. No Facebook, o dia mais agitado é a quinta-feira. O menos agitado é o domingo. No Twitter, o pico é terça-feira, no fim do dia. O dia menos agitado é o sábado.No Instagram, é o oposto: os usuários postam mais aos sábados e domingos. 32% das fotos se concentram nesses dois dias. O dia menos agitado é a segunda-feira.Horários - No Facebook, os horários preferidos para postar durante a semana são das 11h às 12h e das 16h às 17h. No Twitter, as postagens são baixas até as 11h, quando aumentam lentamente e atingem o auge já no fim do dia, às 23h. No Instagram, os usuários são “noturnos” durante a semana: postagens são mais frequentes depois das 17h. Picos - O pico de postagens em uma hora acontece, no Facebook, às sextas-feiras, entre 16h e 17h. No Twitter, o pico acontece na terça-feira, entre 22h e 23h. Já no Instagram, o pico é o sábado, entre 17h e 18h.

02/09/2014

GoPro UMA CÂMERA BILIONÁRIA

A GoPro se tornou rapidamente um nome familiar nos EUA. Em quatorze anos de criação da empresa, em outubro de 2002, Nick Woodman, 39 anos, passou de dormir em um ônibus Volkswagen 1971 e vender câmeras de filme 35mm para empresa líder do segmento à companhia que mais cresce. Ele agora é um bilionário, com uma fortuna de US$ 1,3 bilhão, graças ao investimento de US$ 200 milhões da Foxconn na sua empresa avaliada em US $ 4 bilhões. Enquanto os amigos se lembram de quando Woodman pensava que suas câmeras fariam dele um milionário, o fundador e CEO da GoPro é o primeiro a admitir que sua empresa não foi um sucesso imediato. "Foi um clássico caso de sucesso de dez anos do dia para a noite", brinca. Woodman teve a ideia de vender correias de pulso, que já existiam, para surfistas, em 2001. Depois de testar seus primeiros modelos improvisados em uma viagem de surfe para Austrália e Indonésia, ele percebeu que teria de fabricar a câmera, a caixa e a cinta juntas. Dez anos depois, GoPro é a empresa que mais vende câmeras para fotografar diferentes situações no mercado. Diferente da sua primeira versão, uma câmera 35mm, os mais novos produtos da empresa fazem vídeos panorâmicos e de alta definição. Na primeira metade de 2012, a empresa era responsável por 21,5% do mercado de filmadoras digitais nos Estados Unidos, um aumento de 6% em relação ao ano anterior, segundo dados da empresa IDC. Woodman deve o sucesso da GoPro ao marketing agressivo e à estratégia em mídias sociais, assim como aos avanços tecnológicos constantes. Ele também afirma que a empresa estava no lugar certo, na hora certa. A GoPro aproveitou a época em que os smartphones estavam começando a tornar câmeras digitais obsoletas, uma realização que atingiu a Cisco, antes de ela fechar a marca Flip, de câmeras, em 2011.O CEO também acredita que sua empresa não está parada. "Nós estamos em nosso 12º ano temos confiança na nossa visão do futuro", afirma. "Estamos construindo soluções que permitem às pessoas capturar e compartilhar experiências de vida , e como resultado a GoPro está crescendo de forma viral por meio da criação de conteúdos e de compartilhamento [pelos usuários]." Conta hoje com mais de 200 itens em seu portfólio (câmeras e assessórios).